2.9.21

Breve Almanaque para Se Afastar de Deus

Pensar que ler somente a Bíblia é capaz de trazer a experiência católica é o equívoco mais comum nestes últimos tempos, embora tal acontecimento seja exatamente um enorme avanço ao reencontro de Deus, sobretudo por pessoas que estavam sendo escanteadas ao acesso por inúmeros fatores.
O Grande Dia da Sua Ira
John Martin. O Grande Dia da Sua Ira.
1. Primeiramente, cumpre evidencia alguns fatores que contribuem ao desencontro com Deus, iniciando a lista através da autocrítica enquanto homem, pois ninguém pode falar pela Santa Igreja, mas tão somente através – e o intuito é particularizado, sendo apenas constatações, tais quais:
  • Elitização das celebrações públicas;
  • Inexistência de acolhimento pela comunidade;
  • Subdivisões ideológicas nas paróquias;
  • Controvérsias públicas sem indícios de resolutividade;
  • Sofisticação da Palavra de Deus.
2. Quanto mais onerosos os requisitos para participação das celebrações públicas, maior o nível de elitização delas – e o decorrente afastamento das pessoas, sobretudo aquelas que recentemente se inclinaram para conhecerem a Palavra de Deus. Significa dizer que existem pessoas que simplesmente esquecem que, por magnífica que possa ser uma capela, igreja, catedral, seu espaço só serve se abrigar as pessoas que estão ali visando o contato com Nosso Senhor. Particularmente, presenciar uma paróquia que elitiza as intenções dos fiéis é chegar em apenas duas conclusões: ou se reformou; ou se esquivou. Portanto, onde a humildade, a simplicidade, a compaixão passam longe, certamente assim também passarão distante aqueles que estão procurando exatamente tais virtudes para se redimirem perante Jesus Cristo.

3. Existe um momento muito especial na missa: a Paz de Cristo. Neste instante, todos são convidados ao cumprimento mútuo, iniciando por aqueles que estiverem mais próximos. Infelizmente, mesmo um gesto simples como esse, apesar de infinitamente significante, começa a ser deixado de lado. Mesmo diante de crises sanitárias, nada custa virar a cabeça e, inclinando-a, assim como fazem os japoneses ao se cumprimentarem, acenar para quem está do lado ou atrás. Isto para não falar do laicato que ajuda na organização da paróquia, muitas vezes alheios aos cuidados com pessoas que estão tentando se aproximar daquele lugar.

4. Dentre os problemas da Santa Igreja, refletida nas paróquias, destacam-se as subdivisões ideológicas. Dentre as piores: teologias da libertação, principalmente aquelas que visualizam Jesus Cristo conforme a cegueira de Karl Marx; teologias reacionárias, recentemente eclodidas, donde Deus parece ser uma questão moralista; teologias ecumênicas, justamente por adaptarem a crença católica à compreensão de religiões que não admitem, por exemplo, a ressurreição de Nosso Senhor ou mesmo a concepção virginal de Nossa Senhora. Estas problemáticas apenas geram mais dúvidas e desconfianças nas pessoas que tentam se aproximar de Deus.

5. Adiante, dentre as controvérsias públicas sem indícios de resolutividade mais esdruxulas que poderiam existir está na mente de alguns católicos a respeito da Sé vacante. Noutros termos, a Santa Igreja estaria sem seu Papa, o sucessor de Pedro, a quem Jesus Cristo confiou sua Igreja, portanto, Santa. Quais motivos motivariam tal percepção? Dentre as várias respostas: Papa Francisco é o Anticristo! Porém, quais indícios apontam para essa conclusão? Talvez uma mistura de desconfiança e arrogância. Papa Francisco ainda será muito incompreendido, mas, quanto mais ofendido pelos próprios fiéis é o Sumo Pontífice, mais afastadas poderão ficar as pessoas que observam nisso um motivo para adiarem seus encontros com Deus. Mesmo o sal, quando em demasia, torna o alimento impróprio para consumo.
Jesus Cristo não falava de forma a ofender.
Ofendia-se quem se mantinha hipócrita.
6. Apesar dos pesares, talvez uma das questões mais absurdas, responsáveis por afastar as pessoas de Deus, seja realmente a sofisticação da Palavra de Deus. Jesus Cristo simplesmente era uma pessoa, também divina, extremamente seca. Como assim? Tudo para Ele era: sim, sim; não, não. Inexistiam relativizações ou prolixidades. Lendo o Evangelho, para não chorar de tanta secura, rir não é a reação mais estranha, principalmente quando Jesus Cristo ordenava ao hipócrita que tirasse primeiro a trave (ou tronco) do próprio olho para depois tirar o argueiro (ou cisco) do olho de um irmão. Quem não merece tal instrução, principalmente atualmente? Todos! Nosso Senhor era muito direto, assim como nossa gente precisa ser. Jesus Cristo não falava de forma a ofender. Ofendia-se quem se mantinha hipócrita. Porém, uma coisa é Jesus Cristo, Filho de Deus. Outra coisa é o homem que com secura fala ao próximo. Neste ponto, conhecendo a nossa limitação, adverte o messias através das bem-aventuranças, assim como tentam instruir, insistentemente ao longo do tempo, todos os santos católicos ao falarem da mansidão, docilidade, empatia etc. Nisto, certa vez uma pessoa ao instruir um grupo de entusiastas a respeito do amadurecimento humano, explicou sobre como se portaria diferentemente ao advertir um grupo de turistas que estavam conversando na igreja que visitavam enquanto a missa estava sendo celebrada. Disse que não trataria com rispidez, como fizera. Ficaria, se tivesse a maturidade que estava ensinando, calado ou tentaria persuadir de maneira amistosa o pessoal para entrar em oração também, acompanhando a liturgia. Porém, alguns minutos depois, mesmo depois de compartilhar esta reflexão louvável, inicia um processo de exaltação e perplexidade que evidencia mais aquele primeiro comportamento que teve para com os turistas enquanto imaturo do que aquilo que ensina em curso. Além do mais, para quem deseja errar, certeza alguma será concreta; sempre será relativa. Sabendo disso, qual o real motivo para sofisticar a compreensão, o entendimento, a assimilação da Palavra de Deus sabendo que ela não impõe requintes, mas tão somente obediência ao que é bastante simples? Apenas como ressalva, estamos passando por problemas complexos e, humanamente, esmiuçar complexidades perenes é tarefa difícil, mas não adianta confundir alho com bugalho, política com religião, filosofia com sofisma etc. Também não existe uma fórmula secreta para incentivar as pessoas a frequentarem mais as capelas, as igrejas, as catedrais, incluindo as casas de apoio aos desamparados, os lugares onde as missões são realizadas em amparo aos pobres, os hospitais onde sacerdotes levam esperança através dos gestos preconizados pelo Evangelho. Estudar é realmente importante, mas não participar da Santa Igreja, permitindo-se, inclusive, errar para aprender, pode ser uma via que apenas sofistica a Palavra de Deus, afastando, para variar, aquelas pessoas que estão tentando conhecer o catolicismo.

7. Depois de tratar de alguns pontos de vista a partir da autocrítica, sendo incisivo em questões realmente incômodas ao católico, abaixo restam listados diversas questões que afastam as pessoas de Deus, mesmo que não percebam de imediato, embora as consequências sejam nitidamente percebidas.
  • Programas tendenciosos de televisão;
  • Filmes e séries que confundem a realidade;
  • Músicas com ritmos e letras esvaziadas;
  • Livros de características bélicas, eróticas e apáticas;
  • Militâncias segregacionistas, independentemente da causa;
  • Ideologias que segmentam a experiência humana;
  • Políticas exclusivas, reacionários ou progressistas;
  • Seitas particulares de ensinamentos restritos;
  • Ordens iniciáticas baseadas nos fundadores;
  • Materialismos promovidos pelas indústrias de consumo;
  • Relativizações desumanas decorrentes do academicismo;
  • Virtualizações dos relacionamentos;
  • Permissões às práticas hediondas;
  • Desigualdades provocadas por discursos e práticas;
  • Práticas para desinformação da sociedade;
  • Visões partidaristas em detrimento da coisa pública etc.
8. Cada ponto demanda reflexões profundas, sobretudo para compreender o motivo de estar contido nesta lista. Todas essas possibilidades concorrem com Deus, afastando, por conseguinte, qualquer um de Sua presença. Lógico que tal sequência é mínima perto das diversas realidades, mas tentam ilustrar, ao menos, o panorama geral, donde de uma são geradas outras mais por subdivisões, bastando a experiência permitir a revelação para percebê-las e evitá-las.

9. Recapitulando: existem pessoas que estão querendo conhecer a Santa Igreja para poderem se aproximar de Deus, porém, alguns de nossa gente, concorrendo com outros impedimentos (religiões diferentes, seitas pagãs, militâncias ateístas), terminam afastando-as por vaidade. Verdade que nem todos são assim, vaidosos. Alguns são até compreenderem o erro. Porém, outros, teimam em serem errados, mesmo quando tudo mostra que mais o mal é praticado do que o bem.
    Para referenciar esta postagem:
ROCHA, Pedro. Breve Almanaque para Se Afastar de Deus. Enquirídio. Maceió, 02 set. 2021. Disponível em: https://www.enquiridio.com/2021/09/breve-almanaque-para-se-afastar-de-deus.html. Acesso em: dd m. aaaa.

Postar um comentário

Botão do WhatsApp compatível apenas em dispositivos móveis

Digite sua pesquisa abaixo