Alerta de Mansplaining

Agentes sempre foram vitais ao êxito de estratagemas. Dentre suas habilidades, espionagem e sabotagem são rapidamente reconhecidas, embora incitação e opressão, aspectos da subversão, tenham se destacado como armas efetivas dentro do cenário bélico moderno, baseado exclusivamente em recepção e emissão de informações, produzidas e difundidas massivamente em escala global, principalmente através de programas televisivos em grandes emissoras e canais de YouTube com imensa quantidade de seguidores.

A Epítome Ontológica Universal
Desta forma, apresentadoras e youtubers, observando a demanda bélica contemporânea, estão sendo empregadas como agentes da subversão, servindo aos interesses corporativos ou governamentais ao incitarem revoltas e oprimirem opiniões, visando subverterem os valores que fundamentam a civilização.

Talvez pelo ausente hábito de leitura, somando-se ao alarmante índice de analfabetismo (incluindo o funcional), gerações de brasileiros se acomodaram com entretenimentos gratuitos, travestidos de conteúdos informativos, embora já filtrados, dispensando esforços necessários à compreensão da realidade sem sofrerem influência.

Situação que proporcionou alienação, indiciada pelos hábitos de algumas pessoas, sobretudo quando baseiam suas rotinas em horários de programas televisivos, transmitidos por grandes emissoras. Exemplificando, alguém diz que chegará do trabalho depois de determinada novela e muitos compreendem perfeitamente, uma vez que sua exibição numa dada hora está convencionada entre todos os telespectadores.

Além dessa alienação, apresentadores de telejornais, juntamente o contexto produzido (cenário, figurino, iluminação etc.), conseguem transmitir tamanha autoridade aos telespectadores, tornando seus comentários infalíveis, fidedignos, verossímeis, embora sejam meros produtos para reprodução massiva. Desta forma, assistir e perceber as exposições não é tão grave quanto argumentar, quase sempre sem fundamentações, utilizando tais opiniões jornalísticas como verdades absolutas ao ponto de qualquer explicação contrária, mesmo correta, parecer insuficientemente infundada.

Existe uma regra básica neste âmbito da informação, principalmente quanto dinheiro está envolvido. Pouco importa o conteúdo, contanto que consiga vender o produto, desde passagem aérea até ideologia partidária. Assim sendo, programas televisivos e certos canais de YouTube, podendo converter suas respectivas audiências e inscrições em compradores, ganhando consequentemente comissões ou sendo pagos diretamente, farão praticamente qualquer coisa no intuito de ampliarem suas receitas, também decorrendo disto a expansão de influência.

Exemplificando, quando uma jornalista, âncora de telejornal, anuncia alguma notícia, utiliza um conjunto de palavras e entonações capazes de condicionar os telespectadores ao estado emocional necessário para receberem as informações sem racionalidade, atacando o sistema límbico cerebral no intuito de desencadear reações instintivas, conforme já explicadas nas postagens Complexo-R ou Cérebro Reptiliano e Sexo Vende, Porém... Também advém desta estratégia de marketing compreender a segmentação do público por aderência.

Você pode aderir ao discurso político ou pensamento filosófico que reflete os valores que compõe seu repertório de compreensões, sejam estas herdadas, convencionadas, criadas etc. Contudo, crianças, adolescentes e alguns jovens ainda estão assimilando as particularidades da natureza e sociedade, integrando desta maneira o nicho das pessoas em processo de aprendizagem, sendo ponto em comum a busca pelos referenciais. Sabendo desta necessidade e precisando formatar mentalidades capazes de consumir qualquer produto, grandes emissoras atraem atenção ao criarem as celebridades.

Algumas celebridades são utilizadas como agentes, influenciadores que interagem com preferências pessoais, visando propagação de conteúdos patrocinados por corporações ou governos através da música, teatro, novela, filme, dança etc. Modernamente, assim fazem em programas de televisão e canais de YouTube. Quando uma referência do público adolescente e jovem, talvez uma youtuber, alguém que aborda de maneira divertida alguns assuntos cotidianos (aparentemente inofensivos), começa a promover certa ideologia, termina conquistando a adesão dos seguidores.

Apesar do fenômeno da adesão ser complexo, algumas vezes se torna simples. Observe que uma youtuber primeiramente conquista seguidores pelo conteúdo que aborda, geralmente relacionado ao cotidiano, incluindo eventos específicos daquela faixa etária. Certamente os inscritos do canal aderem à maneira como aquela pessoa apresenta as informações. Entretanto, depois de fidelizados, podem sofrer influência de maneira inercial, quando emoções latentes são estimuladas e direcionadas à aceitação de determinados discursos ideológicos sem qualquer racionalização.

Voltando aos estratagemas utilizados pelas grandes emissoras, veja como a Rede Globo fechou o cerco sobre temáticas subversivas. Depois de tornar Fátima Bernardes uma autoridade informativa, principalmente por sua aparição televisiva ter acontecido sempre nos horários nobres, quando maioria dos espectadores assistiam ao Jornal Nacional, resolveu reposicioná-la, obviamente coberta por uma história comovente de separação com seu ex-colega, ex-chefe e ex-esposo William Bonner, dando-lhe um programa exclusivo pelas manhãs em dias úteis.

Enquanto os espectadores pensarem que ela agora está realizando um sonho de carreira, fazendo aquilo que realmente deseja, incluindo a aparente liberdade ao expor ideias, entrevistar convidados e dançar funk quando quiser, simplesmente a verdade continuará oculta. Noutra perspectiva, Fátima Bernardes abre outra frente de disseminação propagandista, promovendo temas relativizados noutro horário de grande audiência, quando televisores de lugares que recebem muitas pessoas pelas manhãs (repartições públicas, consultórios, salões, lanchonetes) estão sintonizados naquela emissora.

Evidentemente, outras pessoas assistem ao programa daquela apresentadora nas próprias residências (lembrando a campanha massiva realizada pela Rede Globo, envolvendo setores públicos e privados, sobre a conversão do sinal de televisão do analógico para digital), reforçando a audiência do canal. Concluindo esta perspectiva, muitos telespectadores, reconhecendo em Fátima Bernardes uma autoridade em termos de informação, terminam aderindo inercialmente aos conteúdos ideológicos disseminados no programa matinal por ela apresentado.

Trazendo uma curiosidade pertinente, Fátima Bernardes namora atualmente um jovem militante de ideias revolucionárias, que tem idade para ser seu filho, também apoiador de movimentos socialistas e aparentemente influente na política interna entre partidos. Embora não concorde, este Enquirídio nada possui, pelo menos agora, contra Túlio Gadêlha, embora este fato revele a inclinação ideológica da namorada ao abordar determinados assuntos e convidar celebridades para relativizar alguns conceitos, influenciando seus espectadores com matérias relativistas.

Kéfera Buchmann, agora atriz da Rede Globo (enquanto emissora, uma vez que também possui ligações indiretas com networks que promovem canais no YouTube), embora possivelmente tenha iniciado sua carreira como youtuber independente de influências ideológicas, restou fisgada pelas correntes feministas, daquelas que apoiam aborto, embora não apoiem mães solteiras que desejem gerar seus filhos. Realmente, existem muitos canalhas neste mundo que deram vasão ao processo de revolta feminina, infelizmente ilegitimado por generalizar.

Quando uma pessoa como esta youtuber, agora atriz de novela, começa a aparecer em programas como aqueles da Fátima Bernardes, significa que mesmo a Rede Globo está tentando fazer com que usuários do YouTube, inscritos no canal da Kéfera Buchmann (além daqueles outros, cujos temas são correlatos), fiquem curiosos ao ponto de acompanharem a carreira da celebridade, referência para seus seguidores, também pelos programas televisivos. Desta forma, atraem igualmente para assistirem entrevistas, discussões e relatos de caráter ideológico.

Fátima Bernardes e Kéfera Buchmann, direta ou indiretamente interagem para formação de cultura de massa através da influência que exercem enquanto celebridades, referências, embora não passem de agentes para disseminação de ideologias que não contribuem no processo civilizatório. Através destas pessoas, famílias são desfeitas e falsos ídolos são adorados. Desejam apenas o dinheiro, mesmo que precisem ser maquiavélicas. Neste mundo midiático, incluindo o YouTube, poucas coisas não são entretenimentos, distrações para aqueles que infelizmente desistiram.

0 comentário(s):

Postar um comentário