Adelio Bispo e a Insanidade Marxista

Igualmente a outras postagens como A Literal Queda de Um Ministro e A Pressa de Chapecó, acredita este Enquirídio poder contribuir com reflexões circunstanciais, talvez muito mais úteis como memórias ao futuro pátrio. Ontem, 06.07.18, compatriotas brasileiros acompanharam a ruína mental de Adelio Bispo de Oliveira, autor do atentado contra Jair Messias Bolsonaro, candidato a presidência da República Federativa do Brasil, vitimado com uma perfuração na região do estômago enquanto fazia passeata política junto a população na cidade de Juiz de Fora, localizada no estado de Minas Gerais.

Bolsonaro2018
Adelio, através do perfil que supostamente mantinha no Facebook (talvez seja administrado por terceiros - hipótese explicada adiante), sobretudo pelas postagens e comentários realizados, primeiramente demonstra ser usuário compulsivo de mídia social, fronteira entre a sanidade e a demência.

Três anos atrás o Enquirídio publicou um verdadeiro alerta sobre O Que o Facebook Esconde de Você, mostrando a perversidade algorítmica desta mídia social, principalmente quando envolvida com governantes pretensiosos, idólatras de ideologias totalitárias. Havendo dúvida ao leitor, basta pesquisar ou buscar assistir no YouTube a íntegra da sabatina realizada pelos senadores dos Estados Unidos da América ao fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg sobre censura ao conservadorismo e predominância de funcionários, orientados pelas políticas de esquerda (termo muito genérico, empregado para defesa do socialismo, populismo ou mesmo comunismo), dentro da empresa. Portanto, parece válido analisar este caso incluindo esta perspectiva.

Supondo que Adelio seja realmente o administrador exclusivo do próprio perfil no Facebook, secundariamente é possível perceber a indignação de alguém que está cansado da política brasileira, quando em outubro de 2012 (lembrando que era época de eleições, principalmente municipais, quando Dilma Rousseff e Luiz Inácio da Silva combatiam a oposição apoiando Fernando Haddad como candidato do PT para ocupar a prefeitura de São Paulo, sendo igualmente apoiado pela bancada do PMDB na pessoa de Michel Temer) começou a colacionar recortes de jornais (link, link, link, link, link), remontando um sentimento recorrente de setembro de 2005, conforme datação do impresso jornalístico. Entretanto, seria uma revolta "apartidária" (embora não exista candidato sem partido - compreenda na postagem Candidatos Ruins, Eleitores Piores)? Perceba sua inclinação aos movimentos tão íntimos às ideologias marxistas ao citar trecho do Hino Nacional ("veras que um filho seu não foge a luta" - transcrição literal, conforme original) numa foto que nitidamente se percebe uma bandeira soviética (link). Revolta contra corrupção ou própria Nação?

Nesta época de 2005 ocorria o Mensalão, maior escândalo de corrupção já investigado pelo Poder Judiciário brasileiro. Consistia num esquema de compra de votos de parlamentares liderado pelo próprio Partido dos Trabalhadores - PT. Significa que Adelio, quando postou uma imagem de jornal que tinha uma foto de manifestantes ostentando a bandeira soviética, tanto poderia estar revoltado contra a corrupção desencadeada, quanto em favor dos agentes corruptos que buscavam impor, através desta manobra, vontades partidárias mais hegemônicas.

Através desta postagem (link), publicada em 2012, Adelio afirma ser "militante bem indignado", removendo qualquer dúvida sobre sua orientação política. Depois disso, algumas postagens fazem referências às principais pautas da esquerda brasileira (link), trazendo textos que podem ser encontrados em páginas como Carta Maior, embora estejam massivamente espalhados em blogs, certamente para causarem uma melhor colocação do assunto quando pesquisados nos motores de busca do Google (link) - tática da militância cibernética.

Neste instante (enquanto a redação desta postagem era desenvolvida)
removeram o perfil de Adelio do Facebook (link).

Buscando seguir a linha originária dos argumentos, esquecendo este Enquirídio o fato acima relatado (pouco possível, visto que todos os links estavam direcionados ao perfil do Facebook), também ficou perceptível uma antiga desconfiança da Maçonaria, quando destacava em termos críticos os políticos que posavam para fotografias ao lado de membros desta organização (pouco centralizada, diga-se de passagem), incluindo Gleisi Hoffmann, presidente atual do PT. Contudo, resumindo o apanhado dos conteúdos publicados naquela mídia social, quem é Adelio?

Talvez não fosse possível afirmar ainda quem é Adelio, uma vez que seu perfil possui repetições de publicações (aqueles recortes de jornais já mencionados são publicados novamente na "linha do tempo" daquela mídia social para rememorar ideias partidárias) minimamente suspeitas para alguém que administra a própria conta do Facebook. Entretanto, alguns fatos curiosos acabaram orientando este Enquirídio na percepção do perfil desta pessoa, inclusive para mostrar uma visão consolidada acerca da orientação política do autor do atentado contra Jair Messias Bolsonaro.

Numa daquelas postagens com fotos de jornais de 2012, Adelio recebe um comentário de Eustáquio Reis dos Reis, militante do PSTU (link, link), dizendo "e ai companheiro, como vai, voce esta fazendo muita falta aqui. Foi bom te reencontra. Saudades, abraço" - transcrição literal. Ambos, tanto Adelio, quanto Eustáquio, possuem Uberaba - MG como cidade natal. Tempos depois, agora numa foto de rosto sua constante em álbum do Facebook, aquele mesmo membro do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado deixou outra mensagem: "Boa noite, camarada, precisamos conversar. Abraço" - transcrição literal.

Estas pessoas se conhecem sem qualquer sombra de dúvida, porém, provavelmente por necessidades políticas. Esta conclusão poderia ser precipitada se Adelio não tivesse dado outro indício de posicionamento político, quando se filiou em 2007 ao Partido Socialismo e Liberdade - PSOL de Guilherme Boulos (candidato opositor de Jair Messias Bolsonaro nas atuais eleições presidenciais), Jean Wyllys, fundado em suposta dissidência ao PT por Luciana Genro (quem Eustáquio rende homenagens constantes nas mídias sociais) e Heloísa Helena (fundadora da REDE Sustentabilidade juntamente com Marina Silva, também candidata à presidência neste pleito em oposição direta ao Jair Messias Bolsonaro). Apenas para exemplificar que qualquer rivalidade programática entre partidos de esquerda são articulações, basta perceber vínculos entre estas pessoas, incluindo as principais orientações ideológicas, geralmente disponibilizadas em diretórios partidários. Mesmo Eustáquio do PSTU parece alguém próximo de Luiz Inácio, conforme se percebe nesta publicação (link), idólatra do comunismo cubano (link).

Perseguindo digitalmente a Maçonaria, certamente pela vinculação existente com personalidades como Michel Temer e Aécio Neves, políticos odiados pelos partidos de esquerda (embora estes dois também não representem em absolutamente nada o pensamento da direita brasileira), Adelio mudou de foco, através das publicações que supostamente fazia no Facebook, quando passou a criticar Jair Messias Bolsonaro por sua candidatura ter começado a tomar notoriedade nacional. Este Enquirídio insiste ainda em dizer que aquela conta poderia ser administrada por terceiros pela aparente robotização das postagens (fotos com recortes digitais que são amplamente encontrados pesquisando no Google), recebendo o perfil, embora uma vez ou outra, fotografia de rosto do próprio autor do atentado terrorista contra Jair Messias Bolsonaro em Juiz de Fora - MG na véspera da maior comemoração pátria para aqueles que assim se consideram soberanos e patriotas: Independência do Brasil. Inacreditável o brasileiro que cogita ter sido aquela facada campanha ou marketing de auto-sabotagem para alavancamento de intenção de votos.

Imprescindível lembrar que Eduardo Campos, maior oposição em termos de candidatura presidencial em 2014, quando disputava contra Dilma Rousseff. morreu tragicamente num acidente aéreo de investigação inconclusiva. Embora também de esquerda (filiação ao Partido Socialista Brasileiro - PSB) e neto de Miguel Arraes (comunista declarado e apoiado ao governo de Pernambuco pelo Partido Comunista do Brasil - PCB), possuía chances reais de ultrapassar em intenção de votos a candidata do PT e braço governante de Luiz Inácio no Palácio do Planalto. Parece confuso observar partidos que carregam as mesmas bandeiras ideológicas disputando os mesmos cargos, embora isto apenas signifique maior chance de conquistarem aquilo que desejam, uma vez que, tendo todos os mesmos norteadores, importa apenas destacar as melhores lideranças para concretização - nisto, certamente, houveram mais dissidências aparentes, pois o modus operandi destes fanáticos ideológicos é seguir os comandos legados pelos precursores do socialismo e comunismo contra a oposição numa aliança intransponível para conquistar o poder (depois disso, utilizam a máquina estatal para perpetuação, custe o que custar).

Parece claro que qualquer pessoa (incluindo visão partidária, valendo lembrar) que represente uma possibilidade de alternância de poder político no Brasil, necessária à manutenção e validação da democracia (termo já subvertido), precisa ser aniquilada do processo eleitoral (também sem credibilidade pela ausência de comprovação de votação pelas urnas eletrônicas) para permitir a perpetuação da esquerda à frente da presidência. Muitos brasileiros, infelizmente, simplesmente não enxergam esta teia de estratégias para dominação do Estado via ideologia.

Assim como outros brasileiros contaminados com ideias revolucionárias, infantilizados com aspirações de perfeição social, Adelio foi vítima da ideologia marxista, cuja ruptura da sanidade pela demência se tornou clara pelo completo desprendimento da realidade factual, embora seja e continue sendo completamente responsável e amplamente capaz pelos atos praticados contra Jair Messias Bolsonaro, motivo pelo qual deve ser penalizado. Quanto ao mentor intelectual, Adelio aponta Deus - mas este não existe ao socialista/comunista.

Continue ideológico como Adelio Bispo de Oliveira. Assassino, terrorista, marxista (pleonasmo) serão todos os títulos que receberá quando sucumbir mentalmente, assim como muitos já estão padecendo ao perpetuarem ideais egoístas de "justiça social" por via criminosa e vingativa, mesmo sabendo que hipocritamente apoiam a criminalidade com discursos para legalização do aborto, droga, pedofilia, eutanásia, hipersexualidade etc. Combater efetivamente isto jamais será agressão! Heróis são aqueles que destroem violentamente os subversores da honra, família, tradição, pátria etc.

0 comentário(s):

Postar um comentário