A Dieta dos Quatro Elementos

Basta realizar uma breve pesquisa para perceber a quantidade de pessoas que buscam em dietas imediatas o resultado definitivo para problemas de alimentação. Também são incontáveis as ofertas dos milagres dietéticos, principalmente entre personalidades populares, enaltecidas pelos programas de televisão e canais de YouTube. Contudo, nenhum dos regimes apresentados levam em consideração as necessidades básicas do corpo humano de maneira integral, observando a essência que mantém o seu correto funcionamento, seja em sentido material ou mental.

A Epítome Ontológica Universal
Percebendo esta demanda, restou à este Enquirídio compartilhar alguns conceitos muito simples, mas bastante efetivos, herdados das principais correntes alquímicas, responsáveis diretas pelos estudos preliminares dos quatro elementos básicos da composição material e mental, quais sejam: água; ar; terra; fogo.

Através da água, primeiro item da dieta dos quatro elementos, todas as formas de existência animal são concebidas e mantidas, bastando para perceber tal fenômeno observar a gestação, quando uma nova vida se origina no ventre materno, repleto de líquido amniótico, sendo este o ambiente ideal para a reprodução da espécie.

Mesmo após o nascimento, aquela nova vida mantém a água como principal elemento de sua própria composição, estando presente em todos os lugares do corpo humano, muito embora seu aspecto exterior possa aparentar uma formação esteticamente sólida. Numa concepção hermeticamente alquímica, aquilo que deu origem, agora passou a integrar o originado, sendo o fim material deste originário a perda desta essência vital básica.

Talvez naquela época os alquimistas não soubessem, embora tivessem convicção intuitiva, que a composição do planeta mantém proporções elementais semelhantes ao da constituição do homem (sendo verdade o inverso). Contudo, afirmavam categoricamente que sem água nenhuma vida animal existiria, sendo de extrema importância a sua ingestão diariamente para a manutenção daquilo que acolhe e permite as manifestações materiais do Ser: o corpo humano. Embora óbvio, poucas pessoas compreenderam (até hoje) a receita do Elixir da Longevidade.

Assim sendo, ingerir água diariamente é passo primordial para a dieta dos quatro elementos, uma vez que é responsável pela preservação do corpo humano, além da própria manutenção da vida. Certamente, este líquido precioso é encontrado engarrafado (forma comercial) ou na natureza, sendo necessário atualmente o processo de fervura (esquentando-o até que o estágio de borbulha perdure pelo menos por cinco minutos) para garantir a remoção máxima de impurezas. Somente em fontes realmente puras tal procedimento poderá ser dispensado (verdadeiro privilégio). Ressalta-se que, sobre a quantidade diária, coube aos estudos modernos determinar o mínimo desejável para a correta manutenção da saúde, sendo importante procurar auxílio profissional para saber, conforme uma série de fatores, quanto basta para se manter saudável. Consoante preceitos de Paracelso, importante médico e alquimista do século XV: "a diferença entre o remédio e o veneno reside na dosagem". Desta maneira, mesmo o Elixir da Longevidade em excesso poderá acarretar sérios problemas ao funcionamento de órgãos ou mesmo na eficácia do sangue para a distribuição dos nutrientes no sistema orgânico.

A Epítome Ontológica Universal
Através do ar, segundo item da dieta dos quatro elementos, todas as formas de existência animal são animadas, sendo este um nutriente indispensável ao corpo humano após abandonar o ventre materno, momento em que os pulmões se inflam para realizar a respiração, resultando naquilo que restou denominado como "troca gasosa", quando o oxigênio (inspirado) é substituído pelo gás carbônico (expirado) após alimentar o sistema orgânico com suas propriedades. Apesar do seu nítido caráter material, este combustível da ventilação está intimamente relacionado a qualidade mental dos indivíduos, conforme o conhecimento da alquimia oriental, conhecida pelos chineses há séculos, mesmo antes dos primeiros dias do atual calendário gregoriano, valendo ressaltar que outras civilizações (como os egípcios) e tribos (como os essênios) de regiões distintas já vislumbravam tais ideias. Contudo, espelha-se este Enquirídio na tradicional medicina da China por ter melhor legado suas sabedorias no decorrer do tempo, principalmente pelas informações contidas em verdadeiros tratados alquimistas, muitos destes baseados em princípios taoistas, contemplativos dos princípios duais que regem o universo, palpável ou não, sobretudo na qualidade de compreensão da canalização energética para perpetuar a vida de maneira saudável. Basta perceber como determinados artistas marciais desenvolvem melhores qualidades cerebrais (além das corporais) apenas inalando e exalando corretamente através da expansão e contração diafragmática para maximizar o aproveitamento da capacidade pulmonar.

Perceba que quando alguém decai em ansiedade, seu próprio corpo reage com uma respiração mais acelerada, longe do ritmo correto. Este aceleramento das inalações e exalações refletem em todo o sistema orgânico, incluindo aquela parte pensante, responsável pela cognição objetiva: o cérebro. Restando prejudicadas as faculdades mentais, diversas emoções passam a se estabelecer nos processos cerebrais, momento em que as irracionalidades começam a acontecer, principalmente através da perda de domínio sobre a mente, momento ideal para que os desejos inerciais, decorrentes dos marketings comerciais, influenciem ao desequilíbrio da dieta naturalmente harmônica, causando pensamentos exacerbados sobre a própria saciedade. Talvez lhe seja oportuno conferir outras publicações deste Enquirídio a respeito destes temas. Muitos alquimistas da antiguidade e, atualmente, médicos com formações específicas admitem as doenças psicossomáticas, ocasionadas pela péssima condição do aparelho intelectual, que quando em funcionamento positivo, repele potenciais enfermidades decorrentes das negatividades alheias.

Quando alguém, observando a crescente desestabilização emocional de determinada pessoa, talvez por esta ter se frustrado com a atitude alheia, aconselha a respirar fundo, pode até não saber, mas está recomendando uma das melhores terapias já existentes! Permitir que o ar abasteça os pulmões com oxigênio e, logo em seguida, seja expulsado sob a forma de gás carbônico, contudo, dentro de um ritmo correto, certamente consiste na melhor e mais prioritária alimentação que o corpo humano necessidade, sendo tão essencial quanto a água. Assim sendo, sabe-se que a ingestão demasiada de líquidos pode se converter em prejuízo ao sistema orgânico, mesma premissa garante que uma maior ou menor quantidade de respirações será tão maléfica quanto, restando saber qual a medida certa de trabalho a ser realizado pelos pulmões. Infelizmente, poucos profissionais da saúde compreendem a necessidade destas informações, motivo pelo qual as tradições medicinais chinesas, derivadas de suas respectivas alquimias, incluindo as artes marciais como receptáculos para as transmutações necessárias, responderão aos questionamentos correntes.

Segundo tais conhecimentos, todos vivem e morrem durante um ciclo respiratório, dado pela inspiração e expiração. Assim sendo, você nasce e cresce numa inalação, envelhecendo e morrendo na exalação, sendo o ápice deste processo a transmutação do ar. Portanto, "troca gasosa" entre aspas. Adiante, crer-se que ninguém deseja uma vida curta, certo? Então, respirar adequadamente se faz necessário. Dentre os mestres acerca de tais conhecimentos, destacam-se os felinos. Sim, os gatos possuem uma respiração diafragmática impecável! Caso tenha a oportunidade de observar um desses bichinhos enquanto dorme, perceba como seu abdômen expande e comprime na medida em que puxa pelas narinas e solta pela boca. Outros animais fazem o mesmo, embora possa ser mais complicado realizar tal constatação (muitas vezes pela anatomia desfavorecer a apreciação), incluindo os seres humanos, que nascem com idêntica coordenação para realizar esta ventilação, mas que ao longo da vida vão adquirindo hábitos artificiais e, consequentemente, trocando o esforço abdominal pelo torácico para reproduzir este processo de nutrição.

Regular a nutrição é respirar corretamente: inalando pelas narinas (garantindo a retenção de impurezas pelos filtros nasais) e expandindo o abdômen para o alívio do diafragma, ocasionando uma maior descompressão dos pulmões juntamente com o prolongamento não forçoso (antes de chegar no nível de não conseguir inspirar mais) da inspiração; exalando pela boca (ou mesmo pelas narinas, sem qualquer objeção), permitindo que o ar, transmutado em gás carbônico, saia numa duração maior do que aquela que entrou, podendo freá-lo colocando a língua no palato ou "céu da boca".

Nota-se que este Enquirídio reservou uma boa área de explicações nesta postagem sobre a correta nutrição pelo ar, pois compreende que, após deixar o bebê a barriga da sua mãe, sua melhor dieta se dá através da amamentação, passando a ingerir outros líquidos posteriormente, mas durante todo esses tempo, sempre realizando a respiração, mais vezes esta do que aquela, até que a última expiração seja feita e sua passagem neste plano terreno seja concluída, momento em que aquele abrigo do Ser passa a servir como alimento para o planeta, sua própria fonte nutritiva em vida.

Reconhecido como patrono da química como a conhecemos atualmente (quando entrou para a Royal Society, uma das responsáveis pelo modelo de ciência atual), embora tenha sido alquimista durante a realização de todos os seus experimentos, recobra a filosofia natural quando assevera que "na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", mostrando a constante transmutação da Terra, assim como de todos os seres que a habitam, estejam nela, sobre ela ou debaixo dela. Das mutações, tal lei permanece imutável.

A Epítome Ontológica Universal
Através da terra, terceiro item da dieta dos elementos, todas as formas de existência animal são alimentadas, evidentemente que de maneira indireta, uma vez que o aparelho digestivo animal não compreende muito bem a matéria bruta que o planeta oferece, motivo pelo qual precisa ser refinada através de transmutações para que se torne melhor veículo de nutrientes ao sistema orgânico. Isto acontece quando o solo germinado gera a vida vegetal, cujo crescimento se desdobra numa quase ilimitada variedade de raízes, folhas, árvores etc. Derivam-se deste processo de transformação os frutos que a natureza oferece sem resistência para que o homem se alimente.

Sutil é o tema da alimentação terrena, uma vez que algumas questões, derivadas de ideologias da modernidade, surgiram para complicar a razão natural sobre suas possibilidades alimentares. Dentre elas, destaca-se a teoria sobre a suposta irracionalidade de alguns animais, que por sua vez se desdobra na dogmática abstencionista, voltada à nutrição exclusiva por vegetais, embora estes também sejam manifestações da vida, correto?

Utilizando uma comparação simples, se os "animais irracionais" (entre aspas, pois a realidade é diferente disto), assim considerados pela ciência atual (até então), apesar de desprovidos de pensamentos (incluindo a capacidade afetiva por seres diferentes como os humanos), merecem ser poupados no ciclo nutricional, por qual motivo somente os vegetais devem ser sacrificados, sabendo que estes, assim como aqueles, nascem, crescem, reproduzem, envelhecem e morrem? Compreender que a vida se manifesta de várias formas é o primeiro passo para saber se alimentar.

Talvez os vegetais, dentre os seres, sejam aquelas que menor apresentam resistência, inclusive à morte, motivo pelo qual é muito mais fácil ceifar um cogumelo do que abater um boi. Acontece que a natureza, sabendo da existência humana, se preocupou em originar certa qualidade de terra, transmutada em algumas árvores e plantas, para que ofereçam alimentos capazes de suprirem as necessidades básicas que o corpo demanda. Desta forma, todos os frutos são entregues sem qualquer resistência e com enorme pacificidade.

Observe que estes frutos possuem sementes, recipientes carregados de poder vital, capazes de originarem novas vidas, se depositadas em solo apropriado. Nenhum animal, por nítido projeto divino, consegue digeri-las perfeitamente, principalmente aquelas em estágio natural (isentas de processamentos, secagens, refinamentos etc.), motivo pelo qual, percebendo a natureza dos pássaros (sem precisar explicar a fisiologia minuciosamente), alastra-se a vida pela terra para que mais pessoas possam se alimentar daquilo que, em algum tempo, será gerado pelos vegetais.

Infelizmente, decidindo o homem se aglomerar, por influência de suas próprias ficções (cidades, estados, países etc.), reproduzindo demasiadamente sem compreender os impactos futuros no meio ambiente, ainda assim implementando um ritmo de vida que ele próprio não consegue suportar, restou eleita como fonte de alimento prioritária aquela capaz de acumular a maior quantidade de nutrientes e que possa com certa conveniência ser armazenada por um maior espaço de tempo sem perecer: a carne, evidentemente.

Embora diversas teorias corroborem para explicarem a vertente naturalista de se alimentar de carne, nenhuma destas conseguem escapar da razão pura e aplicada: comer daquilo que um dia foi um membro de um boi pressupõe matá-lo ou esperar que o mesmo morra. Apesar daquela picanha argentina não representar, enquanto exposta nas prateleiras dos frigoríficos e supermercados, qualquer evidência de morte, uma vez que o sistema social condicionou aquele aspecto a algo potencialmente suculento, ainda assim um bovino no território que hoje é a Argentina teve de ser abatido para dar, forçosamente, sua parte para que os humanos possam, dali, extraírem os nutrientes que precisam para proporcionarem a saúde dos seus corpos. Contudo, sendo evidentemente tema para outra publicação, qualquer coisa, mesmo no reino mineral, possui qualidade vibracional. Desta forma, qual tipo de vibração você está ingerindo: uma que cumpriu seu papel enquanto alimento ou aquela que não teve qualquer opção de sobrevivência? Logicamente, abster-se da nutrição animal, perante as implicâncias sociais atuais, pode ser tão complicado quanto deixar de beber cerveja ou fumar, embora seja possível.

Apesar de tudo, muitos animais também oferecem alimentos, apesar da aparente resistência. Exemplificando, uma vaca, por vezes, necessita da intervenção do homem para aliviar seus ubres quando os bezerros não consomem todo o leite por ali armazenado. Desta forma, resta claro que a produção de um queijo, por exemplo, consiste realmente numa iguaria, uma vez que é produto derivado do excesso da natureza. Contudo, reside nos excessos os piores males possíveis, sendo certo que, atualmente, aquele animal se tornou um mero objeto por ser a "mina" para a "extração" do "mineral" lácteo.

Pelo exposto, depois de apresentadas as nuances derivadas da terra, somente uma questão importa para compreender, acerca deste tema, a dieta dos quatro elementos: do que realmente se alimentar? Neste ponto, apela este Enquirídio para que você observe a história da nutrição humana através de seus mais variados povos e procure indícios daqueles que se alimentaram, prosperaram e, até então, ainda existem evitando ao máximo o consumo de animais. Tire suas próprias conclusões e seja franco com elas. Depois disso, passe a se preocupa em como ingerir e o porquê.

Sobre como ingerir, depois de observar os critérios da respiração, acredito que você já deve ter percebido a forma mais correta: devagar e sempre! Ora, alimentando-se rapidamente, perceber-se-á que o primeiro reflexo será o completo desequilíbrio na absorção de oxigênio, passando para uma constante dificuldade respiratória, quando a "troca gasosa" será nitidamente realizada incorretamente. Disto decorrerá a redução da capacidade cerebral, pois, com o comprometimento da oxigenação certa, pensar será mais difícil, momento em que emoções reprimidas surgirão sob forma de hábitos nada higiênicos, mesmo para povos primitivos! Mastigar bem os alimentos em pequenas porções não é uma tarefa complexa, mas se a calma estabelecida pela devida ventilação dos pulmões for comprometida, muito provavelmente o aparelho digestivo é quem sofrerá as consequência juntamente com o entendimento cerebral, pois desperceberá, pela pressa, que aquele sistema orgânico do qual faz parte está buscando oferecer as propriedades que necessitam. Caso você, após comer aceleradamente, ainda sinta fome, ao menos saberá o que está errando.

Relacionado ao porquê dos alimentos derivados da terra, este Enquirídio se limita a aconselhar da mesma maneira que fez sobre a quantidade de líquidos a ingerir diariamente: basta procurar um profissional especializado para dirimir qualquer dúvida acerca disso, pois cada indivíduo possui uma rotina diferente, conforme será visto adiante. Então, como premissa maior e orientação máxima alquímica, compreenda que comer bem é ingerir corretamente o suficiente para nutrir o corpo humano em suas necessidades vitais. Qualquer demasia é mero entretenimento.

A Epítome Ontológica Universal
Através do fogo, terceiro item da dieta dos elementos, todas as formas de existência animal são movidas, pois somente com o calor é possível perdurar no plano terreno, uma vez que movimento é vida. Somente um coração aquecido pode bombear o sangue com os nutrientes da alimentação e respiração por todo o sistema orgânico.

Mesmo aquele resultado da transmutação do solo em alimentos refinados, próprios para a ingestão humana, passaram por um processo de aquecimento, sendo o cozimento a melhor maneira de prepará-los para que possam ser servidos, mastigados e encaminhados ao aparelho digestivo - sendo esta a natureza das coisas.

Contudo, sobre a dieta dos quatro elementos, compõe parte imprescindível a movimentação do corpo humano para que a saúde seja preservada. Logicamente, mover-se demasiadamente, assim como beber, respirar ou comer demais, jamais será benéfico, motivo pelo qual todo excesso consiste numa premissa infalível para o desequilíbrio. Igualmente, permanecer na inércia sem se movimentar (estagnação excessiva) significa contrariar os princípios do fogo como símbolo alquímico do movimento.

Praticar atividade física - não metafísica, no mundo das ideias (através de jogos) - é indispensável para que os outros três princípios da dieta dos quatro elementos funcionem em plena consonância! Cabe a cada um escolher aquilo que melhor combina com sua personalidade e disposição, embora todo mundo possa, de uma forma ou de outra, excetuando-se as limitações biológicas ou em decorrência de eventos irresistíveis, aprender qualquer coisa que exista como proposta de movimento, seja um Parkour, Baseball, Yoga etc.

Justamente por saber da existência destas diferentes possibilidades de movimentações, este Enquirídio vem advertindo que determinadas informações precisam ser colhidas com especialistas, inclusive sobre atividades físicas, uma vez que cada corpo humano reage diferentemente de acordo com as próprias condições internas e do ambiente. Contudo, alguns aconselhamentos serão transmitidos, pois, mesmo sobre estes profissionais, cabem algumas advertências, sobretudo por conta de atuações duvidosas ou insensatas.

Preste bastante atenção nesta constatação: uma locomotiva movida a vapor se ganha velocidade na medida em que produz calor na fornalha, cabendo ao maquinista zelar pela correta utilização do veículo, mas, caso decida aumentar a capacidade desta máquina, demandando maior aquecimento para acelerar o seu funcionamento, deverá se preparar para arcar com quaisquer eventualidades, podendo bater um novo recorde de trajeto ou romper os pinos dos cardans, ocasionando o descarrilamento e provocando um grave acidente!

Contamos atualmente com portadores de diplomadas de ensino superior (destacando estes dos verdadeiros profissionais, possuidores de graduação apropriada, para não cometer qualquer injustiça) que infelizmente estimulam a mentalidade das pessoas a serem como os maquinistas daquela constatação mencionada anteriormente, sendo a locomotiva o corpo daqueles que se submetem aos seus programas de treinos. Nestes termos, veja como é imprudente e irracional a atitude de um (des)educador físico, por exemplo, quando recebe um aluno em sua academia: mesmo constatando a nítida sedentariedade, insiste em condicioná-lo aos exercícios (considerando-os básicos, instrutórios, iniciais etc.) para alguém que possui certa frequência, esquecendo que lesões poderão ser acarretadas, desestimulando (e desacreditando) quem quer que seja a continuar com atividades físicas, seja ela qual for, culminando em um evento traumático. Imagine agora, considerando o comportamento padrão da maioria em determinado contexto cultural, quanto tempo uma pessoa levará para retomar a confiança e voltar a praticar algum esporte depois de um acontecimento como este?

Distrações também são fatores impeditivos para a prática de atividades físicas. Mesmo pessoas muito atarefadas não podem se desculpar dizendo que não dispõe de algum tempo para realizar alguns movimentos durante o dia. Esta condição, acima de tudo, deriva do estado hiperventilado, quando o cérebro não consegue mais pensar naquilo que é melhor para ele, bem como para todo o sistema orgânico, gerando sentimentos de frustração, ansiedade e depressão. Conforme se sabe, primeiro passo é respirar corretamente. Depois, fazer o óbvio: caminhar.

Quando todos os princípios da dieta dos quatro elementos são cumpridos, muito provavelmente uma sensação de plenitude será estabelecida, pois o organismo vivo estará em conformidade com a própria natureza. Muitos, apesar de não cumprirem na totalidade as recomendações expostas, sabem que apenas um dos itens não está sendo contemplado em sua rotina. Quando mais de uma destas qualidades não se encontram presentes nos hábitos nutricionais de quem quer que seja, muito provavelmente ela deve estar passando por sérias dificuldades, talvez por eventos irresistíveis, geralmente decorrentes de acidentes ou acometimentos de doenças. Mesmo aqueles que chegaram num ponto crítico, inobservando duas ou três condições alquímicas, conforme propostas por este Enquirídio, podem estar sofrendo de alguma limitação de foro íntimo, motivo pelo qual devem procurar ajuda profissional imediatamente antes de colapsarem. Resta como último lembrete, embora já tenha sido dito, evitar os excessos, permitindo que suas ações possam contemplar estas virtudes, legadas pelos alquimistas doutrora, que somente somarão para que sua vida seja mais saudável.

0 comentário(s):

Postar um comentário