A Literal Queda de Um Ministro

Vale registrar, embora como memória de uma nação perturbada, acontecimento que beira o absurdo da coincidência, principalmente no âmbito jurispolítico brasileiro. Diante de um cenário caótico, onde diversas corrupções estão sendo expostas no processo conhecido por Lava Jato, falece num acidente de avião o relator das denúncias que podem incriminar membros do alto escalão do governo. Parece bastante conveniente interromper o andamento das análises de depoimentos quando usurpadores do Estado estão para perderem suas presas.

A Epítome Ontológica Universal
Há quem defina o Ministro como principal causa dos constantes impedimentos processuais da Lava Jato. Outros o defendem como guardião absoluto e responsável pela existência desta demanda. Independentemente, Teori Zavascki era o relator do processo e iria dar segmento, interrompendo antecipadamente suas férias.

Conforme informações do dia 18 de janeiro de 2017, Teori Zavascki voltaria a analisar delações da Odebrecht, principal fonte para extração de planos de corrupção por membros do governo. Diversas empresas e políticos estão sob suspeita, dependendo tão somente da sequência destes depoimentos para que sejam devidamente incriminados.

Acontece que fatalmente, na tarde de 19 de janeiro de 2017, Teori Zavascki faleceu devido a um acidente de avião, quando saia de Campos de Marte com destino a Paraty, em Angra dos Reis (mesmo local onde Ulysses Guimarães morreu num acidente de helicóptero). Toda imprensa corrobora com o péssimo tempo, uma vez que a aeronave dependia de um campo de visão que permitisse enxergar a pista de pouso sem auxílio de torre de controle (que não havia naquele destino).

Entretanto, sabendo que senadores podem ter sido citados nas 77 delações que estavam sendo relatadas por Teori Zavascki, parece extremamente conveniente que seu substituto somente será investido como Ministro da Suprema Corte após sabatina daqueles que poderão ser indiciados criminalmente quando os depoimentos revelarem seus nomes, pois cabe ao Senado Federal dizer "sim" ou "não" àquele que for indicado pelo presidente Michel Temer ao cargo vago. Como se observa, tudo parece uma grande sorte.

Certamente você não irá muito longe, caso esteja curioso sobre informações acerca destas enormes coincidências, assistindo e lendo noticiários convencionais, pois a concessão para emissão de sinais em massa é dada pelo próprio governo, aquele que detém o poder de abrir ou fechar qualquer emissora, por mais influente que possa ser. Assim sendo, aconselha-se dar preferência por fragmentos coerentes. Dentre alguns, não muitos, serve como gatinho os dados trazidos por Claudio Tognolli, ex-jornalista da Jovem Pan, demitido por perseguir fatos, não hipóteses como maioria fazem.

Segundo Claudio Tognolli (link para seu vídeo no YouTube), parece nítida certa perseguição ao avião que transportava Teori Zavascki, que supostamente já o utilizou quando precisava se deslocar com sua esposa enquanto ela combatia um câncer. Até o dia 02 deste mês, aquela aeronave havia recebido 497 visualizações. Ou seja, desde seu cadastro no Jet Photos (link para o demonstrativo no site) no dia 21 de março de 2016 até aquela data, cerca de 62 pesquisas foram feitas mensalmente (durante oito meses) sobre o bimotor. Tudo bem até o dia 03 de janeiro de 2017, quando o mesmo recebera 1.885 visitações!

Vale ressaltar que nas últimas eleições para presidente, o candidato Eduardo Campos, governador de Pernambuco na época, também sofreu um acidente aéreo enquanto disparava nas pesquisas de intenção de voto. Assim sendo, ainda serão realizadas investigações pelos departamentos responsáveis, mas em nível de detetive amador, parece que alguém realmente quis se certificar no dia 03 de janeiro de 2017 sobre o bimotor que transportaria o Ministro num curto voo entre São Paulo e Rio de Janeiro, estar certo, por 1.885 vezes, que aquele era o avião correto.

0 comentário(s):

Postar um comentário