Você Está Sendo Formatado Sem Saber

Imagine a seguinte situação: uma pessoa, após se levantar da cama, vai à cozinha preparar um café da manhã e, enquanto suas torradas estão assando, liga seu televisor num canal local qualquer. Naquela hora, inicia-se o processo de formatação. Ela não estava pensando em nada até que, ao ver cenas de um acidente automobilístico, começa a pensar em comprar um carro mais seguro, adquirir um plano de saúde ou mesmo parar de dirigir. Esta formatação teve início quando as pessoas começaram a ler jornais, ouvir rádios e ver televisões.

A internet representou grande ameaça a este tipo de estrutura controladora no começo da década de 90 até o ano 2002, quando finalmente conseguiu ser subjugada. Ela não deixou de existir, obviamente, senão esta postagem não existiria. Contudo, raríssimas pessoas em países de constituição liberal (ou semi liberal) utilizam-na de maneira produtiva, longe dos vínculos de alienação advindos com o surgimento das redes sociais, a síntese perfeita dos antigos "meios de comunicação", quais sejam, jornais, rádios e televisões.

A formatação ocorre conforme o curto vídeo < http://migre.me/s2nTf > do experimento dos macacos. Caso não lhe seja possível assistir neste momento, segue um pequeno resumo. Numa jaula com cinco primatas havia uma penca pendurada e uma escada abaixo dela. Quando um destes animais subia os degraus e apanhava uma banana, os outros quatro tomavam um banho d'água. Isto se repetiu até que todos compreenderam que tentar apanhar a fruta era sinônimo de se molhar. Assim, qualquer um que se atrevesse a tentar novamente, era rapidamente reprimido pelo resto do bando.

A partir deste ponto, os macacos (já formatados) foram trocados um por um e, desta forma, assim que o novato entrava na jaula, logo era tentado a buscar uma banana, mas como previsto, os quatro veteranos logo o reprimiam, forçando a "dançar conforme a música" daquele lugar. Nesta mesma sequência lógica, todos os primatas antigos foram substituídos por novos e, embora nenhum destes tenha recebido um banho d'água, jamais ousaram subir as escadas para apanhar as frutas. Será que este experimento poderia ser aplicado em larga escala com humanos?

A resposta é simples: sim, e já está sendo! É muito mais fácil controlar padrões previsíveis do que pessoas com gostos próprios, vontades particulares, pensamentos diferentes, opiniões divergentes etc. Ou seja, para quê controlar um se eu posso controlar centenas como unidade? Uma espécie de bloco humano se formar a partir disto.

Você agora não é mais o Fulano de Tal, com sentimentos, desejos, inspirações, pensamentos etc. Não, isto já está obsoleto. Cada um agora é tão somente uma ID, um código binário qualquer para ser rastreado onde quer que esteja. Esta identidade é catalogada de tal maneira que parece impossível para ela possuir personalidade própria, pois tudo que precisa está à venda, disponível em lojas online ou em grandes centros de compras. O gosto pessoal também sofre esta interferência. Duvida? No Brasil, país subdesenvolvido, com baixíssimo IDH - Índice de Desenvolvimento Humano, aquele que não gosta de futebol, samba e telenovela é basicamente um corpo estranho. Isto acontece por conta de interesses maiores - e para entendê-los, é preciso ser muito "cabeça aberta".

Por que alguém deve torcer para para um time de futebol? Por que o samba deve representar a cultura musical brasileira, se neste país também se ouve rock, metal, forró, clássico, techno? Por que existem até revistas de fofoca sobre novelas se estas são somente ficções? Logicamente, hoje estes valores se encontram bem mais desconstruídos, pois novos sistemas de alienação surgem no lugar dos anteriores, que possivelmente já caducaram em razão da globalização - outro grande interesse, só que em escala mundial.

As pessoas já nascem presas em conceitos que nem precisariam se preocupar, se não fosse por conta de pessoas com mentalidades extremamente formatadas. Por exemplo, uma criança com menos de cinco anos de idade já é questionada por adultos sobre o que ela quer ser no futuro quando crescer. Isto não significa dizer que não existem pessoas predestinadas, que desde cedo já sabem exatamente o que querem realizar dentro das possibilidades deste mundo. Contudo, é certo que se houvesse uma droga farmacológica para adiantar o crescimento, esta seria administrada obrigatoriamente em todos os recém nascidos sob qualquer pretexto ideológico governamental.

Para os "donos do mundo", sua existência não significa nada se você não trabalhar e, quase imediatamente, gastar todo o seu rendimento. Isto não é o mesmo que encorajar o desemprego. Longe disso! A filosofia deste Enquirídio é a mesma de Confúcio em uma de suas máximas, qual seja: "realize um ofício que goste e jamais tenha de laborar um dia sequer". Isto é Wu Wei (link da publicação em breve). Entretanto, como saber se algo lhe dá prazer em fazer se tudo já se encontra predeterminado? Ninguém neste pais, por exemplo, é valorizado por ser gari. Contudo, quando um grupo de trabalhadores que exercia este tipo de função entrou em greve no Rio de Janeiro, a cidade se tornou um verdadeiro caos, com ruas mal cheirosas, sacos de lixos espalhados pelas calçadas etc. E isto somente porque quase ninguém tem consciência da quantidade de sujeira que produz por dia, por vezes de maneira impensada ou compulsivamente, como se fossem pragas - e são! Basta refletir um pouco para aceitar tal realidade.

Ninguém quer criar um filho para ser carpinteiro, principalmente os católicos, embora o pai de seu Messias tenha sido um. Mesmo que desde a infância até a adolescência ele demonstre habilidade e interesse para o ofício, seus pais não o reconhecem desta maneira, mas tão somente se obtiver um diploma para pendurar na parede. Aliás, tantas pessoas neste mundo possuem um pedaço de papel emoldurado acima de suas cabeças num escritório/consultório/ateliê/estúdio, mas não detém nenhuma das qualidades necessárias ao exercício da profissão que "escolheram".

O discurso parental mais conhecido talvez seja este: "não seja escritor, pois isto não dá dinheiro". Certamente J. K. Rowling dirá o contrário. A questão também não seria esta, pois quanto alguém precisa receber para se sentir satisfeito? E é neste ponto que começa o eterno looping dos transtornos psicológicos até então diagnosticados e classificados, causados prioritariamente pela influência dos "meios de comunicação" - lembra-se daquela propaganda de chocolate: "compre Baton, compre Baton, seu filho merece Baton"?

Você está sendo formatado sem saber! Parece mera Teoria da Conspiração, mas as provas são claras e objetivas. Repetindo: nem todos são afetados por estas influências. Se você não o é, ótimo! Continue sempre aberto para novas possibilidades, refletindo antes de dar sua própria opinião ou antes de aderir ao conceito alheio. Provavelmente este tema será trazido à tona novamente neste blog, com outras perspectivas para o conhecimento, sendo este o único meio para a libertação do homem, bem como para aspirar uma vida com melhores condições - pensamento "mântrico" de Enéas Carneiro.

0 comentário(s):

Postar um comentário